Uma eleição, muitos desafios pela frente no Arruda



São muitos os desafios do próximo presidente do Santa Cruz. Pela segunda vez na história do clube, após mudança no estatuto em 2014, um novo triênio (2018-20) está prestes a ser iniciado no Arruda. Independente de quem for eleito, o objetivo é único: reestruturar o clube. Constantino Junior, Albertino dos Anjos ou Fábio Melo? Depois de três anos sob o comando do advogado Alírio Moraes, o 47º mandatário será eleito hoje, dia 5 de dezembro de 2017.

A abertura da votação está marcada para as 10h e o fechamento às 20h. As urnas ficam tradicionalmente no primeiro andar da sede social tricolor. A reportagem da Folha de Pernambuco selecionou alguns pontos que fazem parte do projeto dos candidatos, que estão divididos em três chapas - Construindo com a Força da União (situação), Muda Santa Cruz (oposição) e Santa Cruz do Povo (oposição).

Futebol

Após uma nova queda livre no Campeonato Brasileiro, descendo da Série A para a Terceira Divisão em 2016 e 2017, respectivamente, a Cobra Coral mais uma vez tem a missão de se reerguer no cenário nacional. O calendário de 2018 contará com Campeonato Pernambucano, Copa do Nordeste, Copa do Brasil e Série C. Buscar títulos também é uma exigência da torcida, que não soltou o grito de campeão nesta temporada, marcada só por fracassos. E motivar os torcedores a apoiarem o time na próxima temporada também é uma missão importante da nova diretoria.

Sócios

Com três programas em sete anos - Guerreiro Fiel, Santa Cruz de Corpo e Alma e Santa Forte (atual), respectivamente -, o quadro de sócios está estagnado e a instabilidade das campanhas é recorrente. Algo que precisa ser fonte de receita. De 2011 pra cá, a maior marca alcançada foi de 16 mil sócios em outubro de 2014. De acordo com o Geo Santa, que é um mapa virtual com a localização dos associados e atualização mensal via cadastro, são cerca de 8 mil tricolores adimplentes.

CT

Há seis anos o torcedor sonha com a construção do centro de treinamento. O espaço foi adquirido em 2011, na gestão de Antônio Luiz Neto. Até agora, o Ninho das Cobras não saiu do papel, mas as obras seguem em curso e sob responsabilidade da Comissão Patrimonial. Inaugurar o primeiro campo e finalizar o projeto são obrigações do novo quadro diretivo.

Arruda

O maior patrimônio do Santa necessita de reformas, principalmente na parte estrutural. A modernização é importante para um melhor conforto da torcida. A última restauração que o estádio sofreu ocorreu em 2009 na gestão de Fernando Bezerra Coelho. Naquele ano, havia até uma parte da arquibancada superior interditada.

Folha salarial

Atolado em dívidas e com receitas limitadas em 2018, o investimento será pequeno. Montar um elenco barato, mesclado com garotos da base, é a receita para sobreviver financeiramente. Os gastos com o futebol devem girar em torno de R$ 250 mil. A prioridade é pagar em dia tanto os jogadores como os funcionários.

Técnico

Nos últimos três anos, seis técnicos dirigiram o Tricolor (Ricardinho, Martelotte, Milton Mendes, Doriva, Vinícius Eutrópio e Givanildo Oliveira). A rotatividade no comando trouxe desequilíbrio. Para a próxima temporada, o perfil do treinador está traçado: ele deve trabalhar com um orçamento enxuto e utilizar as divisões inferiores.

Categorias de base

Fora da Copa São Paulo 2018 por falta de verba, a promessa no Arruda é de uma maior integração entre o elenco profissional e a garotada do Sub-20. Espera-se que os jovens sejam utilizados com mais frequência, fato que não aconteceu nos últimos anos (2017, 2016 e 2017).

Dívidas

Com a crise instalada desde o segundo semestre do ano passado, tapar o rombo é questão de urgência. Para sanar os débitos, a saída é buscar recursos através de patrocínios. Sem cota de TV para o Brasileiro da Série C, a renda de bilheteria pode fazer a diferença para honrar os compromissos.

Marca própria

Após rescindir o contrato com a Penalty, que durou nove anos, o Santa apostou em ter seu próprio material esportivo. Lançada no dia 12 de maio deste ano, a marca Cobra Coral, fabricada pela empresa Bomache, vingou e foi o maior destaque da temporada. Em três meses no mercado, 13 mil peças foram vendidas, superando a meta estabelecida pelo departamento de marketing, que era alcançar 10 mil em 90 dias. Alavancar ainda mais o fornecedor é outro plano de gestão.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.